segunda-feira, 22 de março de 2010

O Bilhete premiado


Foto: Chris Craymer


Hoje parei para ler um dos post de @mulhernaopresta e encontrei algo muito interessante e inspirador sobre fazer com que o amor seja divertido.

Ele fala sobre um Hit muito conhecido nos anos 70 e 80.
Bom... Eu não era nascida ainda, mas passei a adorar a musica porque às vezes penso que nasci na época errada, mas não é disso que quero falar.

Há pouco tempo percebi que assim como eu, muitos já amaram intensamente, fizeram juras eternas, planos e fantasias.

Erroneamente, nos entregamos por inteiro e abdicamos de coisas das quais não gostaríamos de ter deixado passar apenas por acreditar que como numa ordem perfeita receberíamos todo o “amor” reciprocamente.

Deixamos crescer uma expectativa sobre o que se espera do parceiro.
Esperamos atitudes, gestos, palavras e até momentos.

Passamos tanto tempo de nossa vida esperando e criando expectativas que deixamos de curtir o que a pessoa tem de melhor.

Por acharmos que são perfeitas, esquecemos que são humanas.
Amar esta muito alem dos romancezinhos clichês que vemos no cinema.

É se olhar no espelho e gostar de si mesmo.
É sorrir e sentir vontade de compartilhar.
É compreender as diferenças e saber que estar presente não é fazer companhia.
É respeitar o espaço e a distância, o momento e o silêncio, porque todos precisam de um tempo de solidão, de reflexão... E isso não é deixar de gostar.

O amor é uma soma. Somam-se as qualidades, mas também somam-se os defeitos e cabe a nós aprendermos a lidar com essa situação.

E como já concluiu nosso querido @mulhernaopresta.
Quem aprende essa lição está com um, dois, vários bilhetes premiados.

O Amor Deve Ser Divertido



Fonte Inspiradora: Blog - Mulher Não Presta

0 comentários:

Postar um comentário